Blog de Tradução

Tradução de estrangeirismos - Por Korn Traduções
25 junho 2019

Em uma tradução, todas as palavras devem estar traduzidas?

Nosso vocabulário é repleto de palavras em inglês. Algumas, inclusive, são tão enraizadas e nos soam tão familiares, que nem percebemos que não são brasileiras. Mas, em muitos casos, há palavras equivalentes na língua portuguesa e, portanto, vale a pena substituir os termos em inglês. Essa informação deve ser considerada principalmente em traduções do inglês para o português, já que os estrangeirismos devem ser (quase) sempre traduzidos. Pensando nisso, perguntamos aos nossos tradutores sobre as melhores práticas de tradução quando houver estrangeirismos nos textos. Abaixo, compartilhamos com vocês três dicas:

Há tradução de estrangeirismos?

1. Muitos dos estrangeirismos que existem já possuem uma forma escrita aportuguesada. É o caso de fôlder em vez de folder ou uísque em vez de whisky. Nesse caso, a palavra deverá ser substituída pela versão em português;

2. Alguns estrangeirismos surgem por falta de palavras equivalentes em nosso idioma. Mas nem sempre é assim, o que significa que se houver tradução para o português, a ordem é: traduza! É o caso de “menu”, que pode ser traduzido como “cardápio”, ou “standard”, que pode ser facilmente substituído por “padrão”;

3. Há termos que não só foram incorporados à língua portuguesa em sua forma original, como também já estão registrados nos dicionários e no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, da Academia Brasileira de Letras. Se esse for o caso, não é necessário incluir sua tradução no documento, mas, na formatação, o termo deve ficar em itálico. Alguns exemplos: marketing, office boy, blog, design, download, free shop, on-line, iceberg, entre outros.

Citações e nomes

Além dos estrangeirismos, também nos perguntam sobre traduções de citações e de nomes. Por isso, aproveitamos o tema para compartilhar dicas sobre essas duas situações:

1. Se houver citações no texto, estas também precisarão ter tradução, mesmo que sejam famosas. Nesse caso, a orientação é grafar a citação original em itálico e entre aspas. Já a tradução deverá ficar entre parênteses, sem itálico e também entre aspas. Por exemplo: “Libertas quae sera tamen” (“Liberdade ainda que tardia”).

2. Já os nomes – tanto de pessoas quanto de marcas – não devem ser traduzidos. A exceção acontece se a própria marca se autodenominar de maneira diferente em seus países de atuação, mas como essa é uma prática pouco vista, o mais comum é manter o nome original independentemente dos idiomas da tradução.

Se você for tradutor, essas dicas ajudarão no dia a dia do seu trabalho. Se você for cliente, elas são válidas para que você possa ficar atento quando receber um documento traduzido.

E, lembre-se, para traduções de qualidade e no prazo, conte com a Korn Traduções: a sua empresa de tradução.